terça-feira, 5 de julho de 2011

Fim.

Lembro-me muito bem de como tudo isso começou. Eu tinha 14 anos. Era um sábado à tarde e nós finalmente havíamos conseguido reunir toda a nossa turma para irmos ao cinema. Eu ainda não seria um professor de literatura, nem gostaria tanto de rock, não viria morar em Campinas e muito provavelmente ainda não era um viciado em panetone. Era um leitor de ocasião. Da ocasião que a escola propunha. Um leitor do necessário; somente o necessário.

A tarde corria adolescentemente bem. Os flertes de sempre, a batata também, as piadas também. A sessão de cinema correu classicamente normal. Os amigos mais exaltados fizeram a guerra de pipocas; rolaram as conversas paralelas antes do filme começar. Depois, o filme começou.



Ponto final. Depois disso, acho que a história da minha vida foi reescrita naquelas poucas horas de filme. Foi uma espécie de reprogramação. Tentando outras interpretações, foi a definição oficial de qual seria - será - por muito tempo a minha contribuição pra mim mesmo e para o mundo.

Saí da sala de cinema impressionado, e previsivelmente quieto.

10 anos depois, agora, no próximo dia 15 de julho, ocorrerá o final simbólico dessa geração na qual tão honrrosamente nasci. Hoje eu não lembro mais a criança impressionada do pós filme. Com honestidade, mesmo as histórias de cada um dos livros estão um pouco desencontradas na memória.

No entanto, é uma obrigação eu destacar pra mim mesmo, e talvez, com certa pretensão, para as próximas gerações também, que o leitor que eu sou hoje foi, em grande parte, construído por cada uma das histórias da SAGA HARRY POTTER!

Conheci grandes pessoas através delas e vivi - não tenho dúvidas - grandes narrativas reais por conta das páginas de Harry Potter. Acho que esse fim terá um sabor muito aquém daquilo que todo o processo representou para os milhares de fãs da série, mas é um fim necessário para que tenhamos claro os contornos disso tudo! Ficam aqui, as minhas honestas palavras de agradecimento, sobretudo à autora, J.K. Rowling!


Nos vemos.

3 comentários:

Leandra disse...

Ô Alê!
putz...
Eu acho que eu também pertenço a essa geração... me lembro ainda, com se fosse ontem, das tardes que eu passava "devorando" as aventuras desse menininho....
o quanto essa série foi importante para a minha construção de como leitora. Sim, houve os clássicos brasileros, mais livros como J.K. realmente fascinam qualquer criança, estimula sua imaginação e a faz querer mais e mais... um livro depois do outro, estando consigo a todo lugar... era assim comigo... levava o livro comigo a todo lugar... e até hoje faço isso... rs
mais... sim, essa série mudou muitos jovenzinhos... não sei explicar o que acontecia, mais envolvia, viciava... então, fará parte de nossas vidas!
belo texto Alê... =D
se cuide!
até mais

escritor@ disse...

Será um final memorável. Compartilho desse sentimento.....mas, para mim, esse sentimento aconteceu quando li o último livro. A narrativa, a Batalha, as mortes, o final, todo aquele universo que Rowling descreveu nas 700 páginas finais, me levaram a respeitá-la como autora. Afinal, acredito que não tenha ficado nenhuma trama sem resolução. Mas o último filme, a última sessão, as últimas cenas.....serão fortes. Essa série deixará saudades....

Nádia disse...

Reconheço-me no seu texto. Nunca gostei de filmes de “criancinhas” e “bichinhos”. Dessa forma, só conheci o riquíssimo universo mágico de Harry Potter ao assistir, contrariada, o 2º filme. Mas, bastou a cena do Karmanguia azul flutuante para a história me render completamente. Como você, saí da sala totalmente impressionada. Lembro, com exatidão, daquele dia. Depois disso, assisti ao 1º filme e dava início a minha saga de leitura. Também sinto que os livros do “menino que sobreviveu” me tornaram uma leitora melhor. A leitura hoje faz parte da minha. Não é exagero dizer que as aventuras e desventuras fictícias do bruxinho influenciaram as minhas experiências reais. Aprendi que precisamos ter dedicação quando queremos alcançar um objetivo, como Harry no torneio de quadribol. Ou que precisamos aprender a conviver com a perda, pois não há magia no mundo que possa trazer de volta aqueles que, apesar de muito amados, partiram. Assistir ao último filme será a concretização das cenas que imaginamos por tanto tempo. Fica apenas o desejo que seja uma boa experiência, pois será compartilha por milhares de fãs, tão diferentes um dos outros, mas que têm em comum o fato de terem “amadurecido” enquanto liam Harry Potter.

Desculpa o exagero de linhas... não resisti!Muito legal o seu post.