sexta-feira, 30 de junho de 2006

“Corredor molhado causa choque em empregada doméstica”

Não serei capaz de escrever um texto cujo o título seja o acima mencionado. Que desespero!
Não, amigo e leitor de blogs. Não insista. O título já concretizou a inexistência do texto. Se fosse qualquer outro...
Poderia escrever um conto de fadas, empregando elementos do teatro Vicentino ou da prosa Machadiana; vislumbraria história de guerras, honra, sexo, paixão e traição; construiria a personagem princesa mais princesa personagem que já se teve notícia. Os animais de tal história, antes mesmo de serem falantes seriam pensantes muito depois de serem galantes. Entretanto o título me subjugou.
Ainda se tivesse ânimo em pensar em soluções lingüísticas... Um bom trabalho de configuração de tempo e espaço, a escolha certa do tipo de narrador – talvez um que oscilasse entre a onipresença e a onisciência, e que participasse mais do que um narrador personagem... Se eu fizesse uma descrição refinada da tríade pessoas-lugares-situações... se eu apresentasse um bom conflito e articulasse de maneira hábil uma solução melhor... Talvez eu ainda pudesse salvar a história, contanto uma estória aprazível.
Por outro lado, muito no entanto do entretanto, inativo pela narrativa que o título me colocou, entrego os dados, a caneta, o papel e tudo o mais que me pedirem.
E mesmo que eu fosse audacioso, astuto, ousado, voz da opressão, megafone de sindicato, power ranger vermelho, ocupante da cadeira nº 1 da academia brasileira de Letras, atacante de frente pro gol sem goleiro, sorteado do torpedão do Faustão, Chuck Norris, Ivete Sangalo no carnaval da Bahia, estante de livros de bibliófilo, ainda que eu falasse a língua dos anjos, escolher entre os espaços que ligam o cômodo de uma casa em dia de faxina e um maratonista suado seria tarefa assaz delicada para acusar o tal corredor molhado que chocou a coitada da, já oprimida pelo social, empregada doméstica.

Felicidades eternas e, nos vemos


Agradecmentos a Dominique.

Amigos, como forma de experimentar mais na internet, estou lançando um novo endereço de blog:

http://maisumapalavra.multiply.com/

Se os interessarem, entrem!!!

2 comentários:

K. disse...

uma pena não ter sido apresentado...realmente impressionante a qualidade e a leveza do texto, bem como foi muito legal o começo e a sua entrega qto à derrota imposta pelo título.
nada mais da hora, porém, que a última frase. genial!
felicidades eternas e nos vemos a semana q vem.

Rodrigo Elias disse...

Seu texto esta ótimo, leveza, elegância e ironia!
Desde que li fiquei com a imagem na cabeça, tentando achar uma luz.
Acho que dá, a empregada conta a história, pós-choque, anunciando desde o principio seu infortunio: teve um choque causado por um corredor molhado. Fica a dúvida. Dai pode seguir tres caminhos, ou a apresenta como limpadora de corredores (lugar), ou um desentendimento com um atleta, a terceira opção é levar os dois juntos.
No final, na reviravolta, o corredor é outro, ou ambos. "Corredor insultado por ter sido atingido com água por empregada a eletrocuta enquanto lavava o corredor do prédio."
Ia ser um conto hilário...